Guia de boas práticas para transporte de efluentes

Os efluentes originários de residências, indústrias, hospitais e estabelecimentos comerciais em geral apresentam uma quantidade significante de poluentes ambientais, nocivos para os seres humanos.

Por conta disso, é necessário fazer a mais segura absorção do material e transportá-lo para os locais especializados no tratamento, antes de retornar o produto para o meio ambiente. Você saberia dizer quais seriam os procedimentos mais virtuosos nesta atividade?

Análise

O transporte dos detritos de qualquer natureza tem destino certo: as Estações de Tratamento de Esgotos (ETEs), onde os materiais serão processados e ajustados para depois serem dissipados na natureza.

Só que, bem antes disso, é imprescindível cumprir etapas preparatórias e analíticas. O primeiro passo a ser dado quando se quer transportar os resíduos é fazer a classificação dele quanto à periculosidade. De acordo com a NBR 10004/2004 da ABNT, há resíduos de Classe I — que apresentam perigo e têm características como inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade —, e resíduos que não são perigosos — divididos em não inertes (Classe II-A) e inertes (Classe II-B).

Esta etapa é importante porque os materiais de Classe I merecem zelo especial tanto no manuseio quanto no traslado a ser realizado pela equipe da empresa transportadora contratada para o serviço.

Remoção

Com o laudo de classificação elaborado, as pessoas que cuidarão da retirada dos efluentes de fossas, tanques industriais, caixas de gordura ou outros recipientes afins devem ter a noção de quais equipamentos utilizar para se proteger dos danos que o material pode causar à saúde e ao bem-estar físico.
O documento da ABNT pode servir de fundamento na identificação do processo produtivo da indústria, por exemplo, ou no enquadramento direto dos resíduos, com base nas listagens dos anexos A e B que a NBR 10004/2004 exibe.

Na maioria das vezes, a extração é feita com o uso de bombas de deslocamento e tubos bem revestidos por materiais fortes, como anéis de aço inox ou outros materiais.

Transporte

Ao passar pelos tubos, os substratos seguem para caminhões modernos e aprovisionados com ótimos sistemas a vácuo, fazendo com que o material lesivo não entre em contato com o meio ambiente de nenhuma forma, impedindo, inclusive, suas emanações vaporosas.
Nesta fase, os motoristas devem ser devidamente treinados para fazer o traslado adequado dos efluentes, com o máximo de respeito às leis de trânsito e às medidas de segurança cabíveis à tarefa.

Tratamento

Dentro dos caminhões, os efluentes serão levados até as ETEs mais próximas ou àquelas que forem indicadas pelo poder público local, com o intuito de receberem o adequado tratamento para, em seguida — livres do potencial danoso e crítico ao meio ambiente — serem dispensados nos locais apropriados sem causar mal a fauna, a flora e aos seres humanos.

É muito importante manter-se atento em relação às soluções de transporte de efluentes que desempenhem essas boas práticas para que o sistema de tratamento funcione adequadamente, sem causar prejuízos à natureza e à saúde humana.

E então, como é feito o transporte e a retirada do esgoto e resíduos em sua casa ou condomínio, no local onde trabalha e em outros lugares por onde transita? Ainda tem outras dúvidas? Continue de olho no blog para ter mais dicas!

Categoria: Desentupidora, destaque | Tags: .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *