Conheça cada etapa do processo de tratamento de efluentes

Diversos fatores podem ser considerados pelos empreendedores para justificar a destinação correta dos efluentes gerados por sua empresa, sendo talvez o mais importante passo para a preservação do meio ambiente. O descarte incorreto destes resíduos além de possibilitar a contaminação das águas, ainda pode gerar sérios danos aos solos.

A constante preocupação com nossos recursos naturais e a atual crise hídrica que assola o país, intensifica o cuidado que se deve ter com os resíduos descartados dos processos de produção. Por isso, listamos aqui todo o processo de tratamento “biológico aeróbico”, desmembrando cada etapa realizada nesse sistema. Seguem os tipos de resíduos que podem ser tratados conforme esse processo:

Efluentes Industriais

– Água de lavagem;

– Água residuária;

– Efluente;

– Lodo líquido;

– Chorume de aterros classe II.

Efluentes Domésticos

– Caixa de gordura;

– Fossa séptica;

– Efluente sanitário.

OBS: Os especialistas devem avaliar corretamente qual o tipo de tratamento para determinado efluente, coletando amostras para identificar qual a sua carga poluidora.

Primeira etapa: Gradeamento

Nessa etapa se retiram os sólidos presentes nos afluentes através de grades, já que os mesmos podem danificar o maquinário utilizado nas próximas etapas.

Segunda etapa: Elevatória

Esse processo possibilita que as diferenças topográficas do terreno sejam ultrapassadas, através de um tanque.

Terceira etapa: Caixas de areia

A etapa de gradeamento não consegue reter todos os sólidos menores, por isso a caixa de areia realiza uma “filtragem” mais minuciosa dos resíduos, através de uma baixa velocidade de fluxo.

Quarta etapa: Lagoas aeradas

Enfim, chega a etapa mais importante, que dura em média três dias. Os difusores sopram o ar que irá permitir a existência de bactérias que consomem toda a matéria orgânica poluente, formando flocos.

Quinta etapa: Lagoas de decantação

Os pequenos flocos formados pelas bactérias ficam detidos nas lagoas de decantação por cerca de um dia, até formarem uma espécie de lodo.

Sexta etapa: Dragagem

A água tratada nas lagoas de decantação é evitada de ser escoada com o lodo acumulado através do processo de dragagem, que retira o excesso constantemente.

Sétima etapa: Secagem e Tratamento do Lodo

O lodo, que neste momento possui 3% de sólidos, entra em contato com um polímero que possibilita o crescimento dos flocos, separados do líquido posteriormente por centrífugas. Desta forma, o lodo fica com 20% de sólido, saindo do estado líquido para o pastoso.

Última etapa: Compostagem

O lodo gerado é rico em matéria orgânica, por isso sua utilização na agricultura é indispensável.

Marketing verde

Devido aos processos químicos, físicos e biológicos, as indústrias podem transformar um antigo poluidor em recurso aproveitado na compostagem. Esse processo, além de reduzir os danos ocasionados ao meio ambiente, ainda gera uma propaganda positiva para as empresas que o adotam.

Apesar da necessidade de investimento, a adesão desse processo possibilita um retorno financeiro significativo. Pois, além de estarem cumprindo normas legais de tratamento, as empresas garantem uma boa visibilidade no mercado, através do reconhecimento sustentável.

Viu a importância do tratamento correto dos efluentes de uma empresa? Deixe seus comentários e dúvidas! Nós podemos ajudar!

Categoria: destaque, Tratamento de Efluentes | Tags: .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *